Loading...
Centro Clínico 2018-02-14T00:04:17+00:00

REABILITAR é recuperar funções físicas ou mentais prejudicadas por problemas de saúde

Tratamento multidisciplinar especializado, amplifica e acelera a capacidade de recuperação da saúde de nossos hóspedes.

Clique para mais imagens

Doenças com alto poder de incapacitação tem prognóstico muito melhor com a reabilitação adequada:
  • Acidente Vascular Cerebral

  • Fratura de Fêmur e Bacia

  • Demências Vasculares e Alzheimer

  • Doença Vascular Periférica

  • Doença de Parkinson

  • Doenças Reumatológicas
  • Dor crônica

  • Condições que Reduzem a Mobilidade

As sequelas são minimizadas quando a reabilitação é iniciada precocemente

Especialmente após AVC [1] e cirurgias ortopédicas, como prótese articular e fratura de quadril [2,3,4,5,6]

Estrutura de Atendimento

  • Consultório médico, de psicologia, fonoaudiologia e nutrição

  • Massoterapia e drenagem linfática

  • Clientes internos e externos

  • 100%  das aberturas com isolamento termoacústico

  • Cercado pela natureza local

  • Prontuário eletrônico do paciente

  • Calefação por piso aquecido

  • Sonorização ambiente

Clique para mais imagens

Clique para mais imagens

Clínica de Fisioterapia

  • Fisioterapia motora

  • Fisioterapia neurológica / neurofuncional

  • Fisioterapia Respiratória

  • Condicionamento Físico

  • Materiais e equipamentos de última geração

  • Calefação por piso aquecido em todos os ambientes

  • Espaços amplos e especializados

Piscina Terapêutica

  • Temperatura constante entre 33-34o C

  • Barras de segurança em toda extensão

  • Profundidade máxima de 110cm

  • Desinfecção automática com baixíssimo teor de cloro na água

  • Aquecimento e desumidificação do ambiente

  • Projetada para pessoas com mobilidade reduzida

  • Acessível para cadeira de rodas

  • Piso antiderrapante com alto índice de atrito molhado

  • Vestiários com calefação por piso 100% aquecido

Clique para mais imagens

Equipe multidisciplinar:

  • Médico Pós-Graduado em Geriatria e Gerontologia

  • Fisioterapeutas Especializadas em Hidroterapia

  • Fonoaudióloga

  • Nutricionista

  • Enfermeiras

  • Psicólogas

  • Fisioterapeutas Especializadas em Geriatria e Gerontologia

  • Terapeuta Ocupacional

  • Educadores Físicos

  • Técnicas de Enfermagem

  • Musicoterapeutas

  • Massoterapeutas

Cuidados Especiais na Reabilitação de Idosos

Controle dos fatores de risco, ajuste de medicamentos,  alimentação balanceada, convivência social e familiar são fundamentais.

Via de regra, o idoso que necessita de reabilitação é portador de múltiplos fatores que contribuem para o estado de debilidade e deficiência.

Doenças como AVC, fraturas de quadril, Parkinson e demências costumam ser acompanhadas de comorbidades como hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia e depressão, que aumentam a complexidade do tratamento.

O uso simultâneo de diversos remédios, conhecido como “polifarmácia”, aumenta o risco de interações medicamentosas e efeitos adversos que nem sempre são de fácil  detecção e correção. Um exemplo comum são os psicotrópicos e benzodiazepínicos (“calmantes” e “remédios para dormir”) e antidepressivos, amplamente utilizados por idosos e que, sabidamente, aumentam a morbimortalidade geral, o risco de quedas, fraturas, pneumonias aspirativas, desnutrição, etc [7,8,9,10,11,12]. A má adesão e a utilização incorreta de medicamentos prescritos, também são importantes fatores de risco para quedas[13].

Dra. Milena fisioterapia

Dra. Milena Fischer em atendimento fisioterapêutico

Por isso é fundamental que o processo seja multidisciplinar e conte com planejamento e supervisão médica e fisioterapêutica diária.

Referências

  1. Horn SD, DeJong G, Smout RJ, et al. Stroke rehabilitation patients, practice, and outcomes: is earlier and more aggressive therapy better? Arch Phys Med Rehabil 2005; 86:S101.
  2. Siu AL, Penrod JD, Boockvar KS, et al. Early ambulation after hip fracture: effects on function and mortality. Arch Intern Med 2006; 166:766.
  3. Khan F, Ng L, Gonzalez S, et al. Multidisciplinary rehabilitation programmes following joint replacement at the hip and knee in chronic arthropathy. Cochrane Database Syst Rev 2008; :CD004957.
  4. Renkawitz T, Rieder T, Handel M, et al. Comparison of two accelerated clinical pathways–after total knee replacement how fast can we really go? Clin Rehabil 2010; 24:230.
  5. Pua YH, Ong PH. Association of early ambulation with length of stay and costs in total knee arthroplasty: retrospective cohort study. Am J Phys Med Rehabil 2014; 93:962.
  6. Tayrose G, Newman D, Slover J, et al. Rapid mobilization decreases length-of-stay in joint replacement patients. Bull Hosp Jt Dis (2013) 2013; 71:222.
  7. Lawlor DA, Patel R, Ebrahim S. Association between falls in elderly women and chronic diseases and drug use: cross sectional study. BMJ. 2003;327(7417):712.
  8. Woolcott JC, Richardson KJ, Wiens MO, et al. Meta-analysis of the impact of 9 medication classes on falls in elderly persons. Arch Intern Med. 2009;169(21):1952.
  9. Ray WA, Griffin MR, Schaffner W, et al. Psychotropic drug use and the risk of hip fracture. N Engl J Med. 1987;316(7):363.
  10. Ray WA, Griffin MR, Malcolm E. Cyclic antidepressants and the risk of hip fracture. Arch Intern Med. 1991;151(4):754.
  11. Ray WA, Griffin MR, Downey W. Benzodiazepines of long and short elimination half-life and the risk of hip fracture. JAMA. 1989;262(23):3303.
  12. Ensrud KE, Blackwell TL, Mangione CM, et al. Central nervous system-active medications and risk for falls in older women. J Am Geriatr Soc. 2002;50(10):1629.
  13. Berry SD, Quach L, Procter-Gray E, et al. Poor adherence to medications may be associated with falls. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2010;65(5):553. Epub 2010 Mar 15.

Serraville Residencial & SPA Geriátrico: Incomparável.